Transcrição no jazz: dicas fáceis para tirar 1 solo por mês!

“Arte é furto” – Pablo Picasso

Com esta frase eu começo meu blog sugerindo algo que seu professor provavelmente já te disse na sua aula de música. Algo que todo músico mais experiente diz: “devemos ouvir e aprender com os discos; devemos ouvir os mestres!”.

Não é novidade que os bebês aprendem a falar, andar e a comer imitando os adultos à sua volta. Sabemos também que a imitação funciona perfeitamente bem para o aprendizado de línguas. 

Mas será que a imitação funciona para a música? 

Para a nossa felicidade sim! E funciona maravilhosamente bem! 

Tirar solos (ou levadas, voicings, melodias, sequência de acordes…) é uma parte essencial do estudo de música. A transcrição é uma das ferramentas mais importantes para se aprender a improvisar.

Pat Metheny disse que “(…) a transcrição é um caminho para momentaneamente entrar na mente de um grande músico e encontrar os tipos de processos cognitivos que ele usa para se tornar quem ele é como músico.”

Daí você pensa: “Legal! Vou começar! Mas como faço? A maioria dos solos de jazz são complexos, longos, com notas e frases rápidas. Como tirar e decorar tudo isso?” 

Parece sempre muito difícil, não é mesmo? Especialmente se esta experiência for totalmente nova para você. Mas saiba que o processo todo pode ser dividido em pequenas tarefas diárias, que são geralmente muito simples e ao final do mês, para a sua surpresa, você estará tocando todo o solo, by heart!

Há algum tempo venho procurando identificar claramente meus objetivos musicais a serem alçados no ano e assim consigo traçar metas atingíveis para a minha prática diária. Criei uma estratégia para organizar este processo, para que este objetivo, que é transcrever o solo, não pareça impossível!

Quer saber qual é esta estratégia? Vou passar tudo aqui para você. Passo a passo!

1) Antes de tudo, ouça o solo! Ouça muito mesmo!

Parece óbvio, mas é sempre bom lembrar: escolha um solo que você goste! A partir daí ouça o solo repetidas vezes. Muitas vezes mesmo!

Coloque no repeat e ouça com atenção. No 1o momento ouça sem ter o objetivo de identificar as notas, mas com o intuito de internalizar as melodias tocadas. 

2) Cante o solo.

Não vá pegando seu instrumento para já tentar reproduzir o solo. Calma! Antes de tentar tocar o solo no seu instrumento você precisa conseguir cantá-lo. 

Cantar faz com que os sons fiquem mais internalizados. Isso facilitará muito quando você for reproduzir no instrumento um som que já está na sua cabeça.

Quando chegar a hora de tocar você vai ficar muito feliz por ter feito esse processo! Acredite!

3) Vamos ao passo a passo!

Agora que você já ouviu o solo e sabe cantá-lo, chegou a hora de tocar o solo no seu instrumento!

Para que seja mais produtivo e menos cansativo divida o seu objetivo final, que é transcrever o solo, em metas diárias.

Normalmente os standards de jazz possuem 32 compassos. Com a estratégia que sugiro você irá tirar um chorus por semana. 

Se por acaso o solo que você for tirar tiver somente um chorus, você vai conseguir finalizá-lo em 1 semana! Se for um blues pode levar menos tempo ainda! Agora gostou né?

Mas, vamos lá para a parte prática!

Aqui vão as metas diárias para que você possa tirar o solo todo ao final do mês:

  • Dia 1: transcreva os compassos 1 a 8
  • Dia 2: compassos 9 a 16
  • Dia 3: revisão dos compassos 1 a 16
  • Dia 4: compassos 17 a 24
  • Dia 5: compassos 25 a 32
  • Dia 06: revisão dos compassos 17 a 32
  • Dia 07: revisão de todos os 32 compassos

Se forem 4 chorus você terá feito todo o processo em 28 dias, o que te dá 2 dias extras para rever o solo todo! 

Se por acaso o número de compassos de solo for igual a 64, você levará 2 semanas.

4) Use a tecnologia a seu favor!

Muitas vezes um grande problema que você poderá enfrentar no processo é que as músicas são muito rápidas.

Solos do Charlie Parker, John Coltrane e vários outros são desafiadores para todos os músicos, de qualquer nível. Fique tranquilo!

Hoje em dia existem vários aplicativos ou sites que podem te auxiliar neste processo. Muitos conseguem diminuir a velocidade da música sem mudar a qualidade das notas.

Se precisar, use as ferramentas. O importante é conhecer as frases.

Existem vários aplicativos gratuitos na internet, é bem fácil de encontrar.

Aqui você vai encontrar algumas sugestões de aplicativos que fazem isso.

5) Não fique ansioso! Absorva o que o solista tem a te ensinar!

Não é porque você acabou de aprender uma ferramenta para te auxiliar a tirar um solo por mês que você deve ficar ansioso e tirar 12 solos no ano, não é mesmo?

Absorva bem o que aprendeu neste 1º solo. O aprendizado é mais significativo do que você imagina! 

Espero que estas estratégias que te ensinei sejam muito úteis para o seu aprendizado com seu instrumento.

Gostou do post? Tem alguma sugestão de solos ou alguma outra estratégia para transcrição de solos?

Comente no texto!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s